Ciúme Patológico ou Síndrome de Otelo

Ciúme Patológico ou Síndrome de Otelo

Ciúme Patológico é um ciúme, como o próprio nome diz, doentio.

É normal pessoas sentirem ciúmes de pessoas queridas.

Mas algumas pessoas sofrem de um quadro clínico chamado Ciúme Patológico.

Essa pessoas fazem as coisas mais absurdas com sua vítimas (namorados, namoradas, noivos, noivas, maridos, mulheres, amantes):

  • Telefonam inúmeras vezes por dia e não aceitam que a pessoa não possa ou não queira atender sempre.
  • Implicam com roupas, decotes, make up, penteados, perfumes.
  • Interrogam sobre o passado muitas vezes para pegar contradições.
  • Contratam detetives.
  • Seguem.
  • Passam horas parados na porta da vítima para ver se surpreendem visitas secretas ou saídas não informadas.
  • Checam contas telefônicas.
  • Interrogam porteiros para saber se a pessoa saiu ou recebeu visitas.
  • Perguntam a mesma coisa muitas vezes e de várias maneiras para fazer a pessoa entrar em contradição.
  • Provocam horas e horas de debates e discussões sobre a quantidade de amor não retribuído que demonstram para a vítima.
  • Fazem juras de amor sem aceitar o quanto são egoístas.
  • Andam ao lado da pessoa na rua, observando para onde ela dirige o olhar.
  • Ameaçam, agridem, podem chegar a matar a vítima.
  • Ameaçam se suicidar.

Causas

  • Álcool
  • Drogas (principalmente Cocaína)
  • Anfetaminas ou anorexígenos (remédios para emagrecer)
  • Psicose (por exemplo Esquizofrenia)
  • Psicopatia (alguns Psicopatas, quando além da Psicopatia demonstram Ciúme Patológico, são extremamente perigosos)
  • Personalidades inseguras.
  • TOC (Transtorno Obsessivo Compulsivo).
  • Mas a maioria dos ciumentos patológicos são pessoas normais, sem nenhuma doença psicótica, sem drogas, sem álcool, sem Psicopatias. São simplesmente ciumentos. E a vida do marido, mulher, namorado, namorada é simplesmente um inferno.

Tratamento

  • Bom, primeiro precisa ver se o ciumento ao teu lado quer se tratar. A maioria não aceita que tenha nenhum problema.
  • Se ele (ou ela) não aceitar a necessidade de tratamento, prepare-se para viver num inferno.
  • Lembra do filme da Julia Roberts, Dormindo com o Inimigo ?
  • Ou da pobre Desdêmona, do filme Otelo (de Shakespeare), com Kenneth Brannagh ?
  • Caso aceite tratamento, é prudente duvidar se ele quer mesmo se tratar ou se está apenas ganhando tempo para o novo acesso de ciúmes.
  • Claro que se a causa do ciúme daquela pessoa é álcool ou drogas, é importante eliminar a causa.
  • Quando o ciumento quer mesmo se tratar, nem sempre somente psicoterapia ajuda.
  • Mesmo para os ciumentos "normais" (isto é, não psicóticos), dose baixas de neurolépticos podem ajudar muito.